Pesquisar este blog

domingo, 6 de julho de 2014

Os sinais da volta de Cristo


(Mateus 24.1-14; 1Tessalonicenses 5.1-3; 1Timoteo 4.1-3; 2Timoteo 3.1-9)
Nos estudos proféticos, “sinal” é tudo aquilo que possibilita prever ou reconhecer a aproximação de um fato profético relevante. Os sinais relativos à volta de Jesus têm como objetivo principal alertar aos salvos a estarem preparados para o arrebatamento da igreja. Os sinais da volta de Cristo referentes a Israel.
A nação de Israel foi escolhida por Deus para ser o personagem de seu plano inicial e tornar-se o palco da revelação de sua glória e constituir também em um grande sinal da vinda de Cristo.
Na Bíblia há importantes profecias quanto a Israel, vejamos:
a) O surgimento do povo (Gênesis 12 e 13)
b) O seu território
(Gênesis 15.17-21 que diz: “E sucedeu que, posto o sol, houve densas trevas; eis um fogareiro fumegante e uma tocha de fogo que passou entre aqueles pedaços.
Naquele mesmo dia, fez o Senhor aliança com Abrão, dizendo: À tua descendência dei esta terra, desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates: o queneu, o quenezeu, o cadomoneu, o heteu, o ferezeu, os refains, o amorreu, o cananeu, o girgaseu e o seu jebuseu.”)
c) O seu período como escravo
(Gênesis 15.13-14 que diz: “então, lhe foi dito: Sabe, com certeza, que a tua posteridade será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos.
Mas também eu julgarei a gente a que têm de sujeitar-se; e depois sairão com grandes riquezas.”)
d) A sua libertação
(Êxodo 3.8-10 que diz: “por isso, desci a fim de livrá-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir daquela terra boa e ampla, terra que mana leite e mel; o lugar do cananeu, do heteu, do amorreu, do ferezeu, do heveu e do jebuseu.
Pois o clamor dos filhos de Israel chegou até a mim, e também vejo a opressão com que os egípcios os estão oprimindo.
Vem, agora, e eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu povo, os filhos de Israel, do Egito.”)
e) A conquista de seu território
(Josué 1.3-6 que diz: “Todo lugar que pisar a planta de vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu prometi a Moisés.
Desde o deserto e o Líbano até ao grande rio, rio Eufrates, toda a terra dos heteus e até ao mar Grande para o poente do sol será o vosso termo.
Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei.
Sê forte e corajoso, porque tu farás este povo herdar a terra que, sob juramento, prometi dar a seus pais.”)
Há profecias que abordam a expulsão de Israel da terra (Levítico 26.14-15,31-35 que diz: “Mas, se me não ouvirdes e não cumprir todos estes mandamentos; se rejeitares os meus estatutos, e a vossa alma se aborrecer dos meus juízos, a ponto de não cumprir todos os meus mandamentos, e violardes a minha aliança, (…)
Reduzirei as vossas cidades a deserto, e assolarei os vossos santuários, e não aspirarei o vosso aroma agradável.
Assolarei a terra, e se espantarão disso os vossos inimigos que nela morarem.
Espalhar-vos-ei por entre as nações e desembainharei a espada atrás de vós; a vossa terra será assolada, e as vossas cidades serão desertas.
Então, a terra folgará nos seus sábados, todos os dias da sua assolação, e vós estareis na terra dos vossos inimigos; nesse tempo, a terra descansará e folgará nos seus sábados.
Todos os dias da assolação descansará, porque não descansou nos vossos sábados, quando habitáveis nela.”). Essa profecia cumpre-se em sua totalidade nos anos 70 d.C. assim profetizado por Jesus Cristo em Lucas 21.24 que diz: “Cairão a fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e, até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles.”
A restauração de Israel dá-se de duas maneiras: a restauração política e espiritual. Esta última ocorrerá na volta em glória de Cristo no final da Grande Tribulação, no entanto a restauração política é o sinal cumprido.
Conforme analisamos, Israel espalhou-se (Levítico 26.33 que diz: “Espalhar-vos-ei por entre as nações e desembainharei a espada atrás de vós; a vossa terra será assolada, e as vossas cidades serão desertas.”) entre as nações, mas Deus declarou que voltaria a reunir Israel (Deuteronômio 30.1-6 que diz: “Quando, pois, todas estas cousas vierem sobre ti, a benção e a maldição que pus diante de ti, se te recordares delas entre todas as nações para onde te lançar o Senhor, teu Deus; e tornares ao Senhor, teu Deus, tu e teus filhos, de todo o teu coração e de toda a tua alma, e deres ouvidos à sua voz, segundo tudo o que hoje te ordeno, então, o Senhor, teu Deus, mudará a tua sorte, e se compadecerá de ti, e te ajuntará, de novo, de todos os povos entre os quais te havia espalhado o Senhor, teu Deus.
Ainda que os teus desterrados estejam para a extremidade dos céus, desde aí te ajuntará o Senhor, teu Deus, e te tomará de lá.
O Senhor, teu Deus, te introduzirá na terra que teus pais possuíram, e a possuirás; e te fará bem e te multiplicará mais do que a teus pais.
O Senhor, teu Deus, te circuncidará o teu coração e o coração de tua descendência, para amares o Senhor, teu Deus, de todo o coração e de toda a tua alma, para que vivas.”). Em Lucas 21.29, lemos: “Olhai para a figueira”. Essa figueira simboliza “Israel” e o brotamento a sua restauração, exatamente o que aconteceu, vejamos:
O congresso sionista de Basileia ocorreu em 1897, na Suíça, e o Dr. Theodor Herzl lançou a idéia: que todas as nações deveriam reconhecer Israel como lar oficial dos judeus.
No final da Primeira Guerra Mundial, em 1917, Israel tornou-se Colônia Britânica, o que concedeu aos judeus um maior padrão de autonomia.
Em 14 de maio de 1948, David Bem Gurion leu a declaração de independência da nação hebréia, fundando o Estado de Israel.
Jesus antecipou a restauração de Israel ao evocar o renascimento da figueira em Mateus 24.32 que diz: “Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão.”
2. Os sinais da volta de Cristo referentes:
a. À terra
Quando Jesus morreu a terra reagiu (Mateus 27.51 que diz: “Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas;”) e até hoje reage anunciando a vinda de Cristo (Romanos 8.22-25 que diz: “Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo.
Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?
Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o aguardamos.”). Vejamos:
Século 12 – Houve 84 terremotos
Século 13 – Houve 115 terremotos
Século 14 – Houve 134 terremotos
Século 15 – Houve 174 terremotos
Século 16 – Houve 258 terremotos
Século 17 – Houve 378 terremotos
Século 18 – Houve 640 terremotos
Século 19 – Houve 2119 terremotos
b. Ao mar (Lucas 21.25 que diz: “Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; sobre a terra, angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas;”)
O maremoto gerou temores de uma repetição da tragédia provocada pelo tsunami de 26 de dezembro de 2004 na ilha indonésia de Sumatra.
O maremoto foi provocado por um potente terremoto submarino, de 7,7 graus, segundo o Instituto Nacional de Geofísica Norte-Americano (USGS), registrado na segunda-feira à tarde no Oceano Índico, ao sul da ilha de Java.
O hipocentro do terremoto, o foco real, a 10 km de profundidade, foi localizado pelo USGS diante da ilha de Java, a 358 km da capital, Jacarta. A zona mais afetada parece ser Pangandaran, um pequeno balneário situado na costa sudoeste de Java.
Na ocasião, vários países do Oceano Índico foram afetados e quase 220.000 pessoas morreram, 168.000 delas na Indonésia.
c. À sociedade
Apesar de parecerem sem importância para os incrédulos, todos os sinais relacionados a vinda de Jesus tem de ser bíblica e teologicamente considerados. Vejamos:
I) Divórcio (Lucas 17.27 que diz: “Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido.
Se, porém, se apartar, que fiquem sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.”)
II) Culto ao corpo (Lucas 17.27)
III) As drogas (Apocalipse 22.15 que diz: “Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todos aqueles que ama e pratica a mentira.”)
IV) O salário (Tiago 5.4 que diz: “Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos e que por vós foi retido com fraude está clamando; e os clamores dos ceifeiros penetraram até aos ouvidos do Senhor dos Exércitos.”)
V) A fome (Lucas 21.11b que diz: “epidemias e fome em vários lugares”)
VI) Epidemias (Lucas 21.11b que diz: “epidemias e fome em vários lugares”)
VII) Crise mundial (Mateus 24.6,7, 10 que diz: “E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim.
Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; (…)
Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros;”)
VIII) Revoluções (Mateus 24.7b que diz: “reino contra reino”)
d. Ao meio religioso
I) Falsas doutrinas (1Timoteo 4.1 que diz: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,”)
II) Perseguições (Mateus 24.9 que diz: “Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome.”)
III) Ecumenismo (Apocalipse 13.12 que diz: “Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada.”)
A palavra ecumenismo vem do grego Oikomenikos que é a união universal indistinta entre as várias instituições religiosas. É de fato o desejo do anticristo.
IV) Apostasia (2 Tessalonicenses 2.3 que diz: “Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição,”)
A palavra apostasia vem do grego apostasia e significa a abandono consciente e pública da fé que foi confiada aos santos (Judas 3 que diz: “Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos.”).
Características dos apostatas (2Timóteo 3.1-5 que diz: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmo, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural. Irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficiência dela. Destes afasta-te.).
V) Escândalos e traições (Mateus 24.10 que diz: “Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros;”)
VI) Falsos profetas (Mateus 7.15 que diz: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.”)
VII) Desamor (Mateus 24.12 que diz: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos.”)
VIII) Glutonaria (Lucas 21.34 que diz: “E olhai por vós, para que não aconteça que vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.”)
IX) Alcoolismo (Romanos 13.13 que diz: “Andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.”)
X) Desagregamento sexual (Lucas 17.27 que diz: “Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e consumiu a todos.”)
3. Conclusão
Não sabemos a data do arrebatamento da igreja. De uma coisa, porém, temos absoluta certeza: Jesus não tardará a voltar. Os sinais e profecias estão alerta-nos de que esse dia está muito próximo. Maranata, ora vem Senhor Jesus.

Referências
Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.
Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.
            Revista Lições Bílicas. Vem o fim, o fim vem-A doutrina das ùltimas coisas. Rio de         janeiro:CPAD, 2004.

ESCATOLOGIA


Introdução


No grego éschatos significa último e Logus significa estudo, logo escatologia trata do estudo das últimas coisas.
Abordaremos assuntos relacionados com os sinais da volta de Cristo para arrebatar a igreja, o arrebatamento da igreja, o tribunal de Cristo, as bodas do Cordeiro, a manifestação do anticristo, o renascimento do Império Romano, a reconstrução do Santo Templo, a grande tribulação, o milênio, o julgamento final e a formosa Jerusalém Celestial, mas veremos as interpretações do Apocalipse.



As Principais Interpretações do Livro de Apocalipse



Há três escolas principais de interpretação do livro de Apocalipse: em primeiro lugar temos a Interpretação Preterista que afirma que tudo o que está revelado no livro de Apocalipse já aconteceu. Segundo o escritor preterista George Ladd, a Roma Imperial era a Besta do capítulo 13 do livro de apocalipse e que os sacerdotes asiáticos que incentivavam o culto do Imperador eram o falso profeta. Para ele, o Apocalipse narra apenas as perseguições sofridas sob os imperadores romanos e esse livro cumpriu o propósito de fortalecer e encorajar os cristãos do primeiro século.
Em segundo lugar existe a Interpretação Histórica que compreende o Apocalipse como uma profecia simbólica de toda a história da igreja até a volta de Jesus e o fim dos tempos. De acordo com essa escola o livro é repleto de símbolos, imagens e números e está dividido em sete partes paralelas e progressivas: sete castiçais, sete selos, sete trombetas e sete taças.
Simon Kistemaker aborda que o paralelismo expresso nos rês grupos (selos, trombetas e taças) sugere que o escritor de Apocalipse não está mostrando uma sequência cronológica, mas diferentes aspectos dos mesmos eventos. Kistemarke trata de que isso ainda é mais enfático quando se analisa as referências diretas e indiretas ao Juízo Final.
No século V, Agostinho adotou essa interpretação que subsistiu durante toda a Idade Média e os precursores da Reforma Protestante também a escolheram.
Em terceiro lugar há a Interpretação Futurista. Para essa escola, as sete igrejas descritas nos capítulos 2 e 3 do Apocalipse, afirma que cada igreja representa um período profético da história da igreja até o arrebatamento e a partir do capítulo 4 tudo é profecia para os últimos dias do período da septuagésima semana de Daniel que caracteriza a Grande Tribulação sob o domínio do Anticristo sem a Igreja na terra, culminando com a volta visível de Jesus com os santos já glorificados para reinar sobre a terra num período de 1000 anos, vindo depois o Juízo Final e novos céus e nova terra.
A crença nesta Interpretação Futurista que se confunde com o Pré-Milenismo foi criada e definida pela Igreja Primitiva até o quarto século. Os pais da igreja (Justino, Tertuliano, Lactâncio, Papias, Irineu e Hipólito) criam que o Anticristo reinaria no fim dos tempos, mas eles acreditavam que a Igreja passaria pela grande Tribulação e padeceria sob o reino do Anticristo.
No século XIX, o Pré-Milenismo ressurgiu mediante John Nelson Darby (1800-1882, líder dos Irmãos Plymouth. Foi ele quem elaborou a perspectiva dispensacionalista do Pré-Milenismo. A diferença de Darby para os pais primitivos é que estes criam que a Igreja passaria pela Grande Tribulação e aquela defendia que a Igreja seria arrebatada antes e assim estaria livre do Anticristo.
Umas das maiores contribuições para o crescimento d Dispensacionalismo e Interpretação Futurista foi a publicação da Bíblia anotada de Scofield em 1909 nos EUA (Estados Unidos da América). A divulgação dos livros de Hall Lindsay, da revista “Meia Noite” de Wim Malgo (já falecido) e dos livros “Deixados para trás” de Tim Lahaye muito colaboraram.
No início do século XX surgiu o Movimento Pentecostal e essa escola de interpretação do Apocalipse estava em alta e foi adotada pelos pentecostais.


Retirado deste livro
Batista, Felizardo Filho. O Anticristo e a Grande Tribulação. São Paulo: Alfa e ômega Edições, 2008. Prefácio, Páginas 15 a 18.

domingo, 21 de março de 2010

Milênio

O termo Milênio provém do Latim Millenium que corresponde a mil anos. Dessa maneira, o milênio é um período de mil anos em que Cristo há de reinar plenamente sobre o mundo. (Ap 20.1-5)
Foi observado no post anterior que o Milênio começará logo após a grande tribulação, quando Cristo junto com todos os santos houver aniquilado o dragão, o falso profeta e a besta. (Ap 19.11.21)
A partir disso, haverá o derramamento do Espírito Santo (Zc 12.9,10/Ap 1.7), um período de grande conhecimento da Palavra de Deus (Is 11.9/ Zc 14.16), um tempo de paz universal (Mq 4.3), uma era de abundante saúde física e mental (Is 35. 3-6), uma era de prosperidade, segurança e vida longa (Is 65.22), um período de plena recuperação ecológica da terra (Is 35.1,2) e Israel habitará e estará de posse de todo o território que o Senhor prometera a Abraão.
Quem estará na terra durante o Milênio será o povo de Israel e os gentios que houverem sobrevivido à Grande Tribulação e ao juízo das nações (Mt 25.31-41).
O milênio terá os principais objetivos:
1) Exaltar a Cristo (Fp 2.5-11/ Ap 19.16);
2) Manifestar o Reino de Deus na sua plenitude (Mt 6.10);
3) Mostrar que este mundo pode ser administrado com justiça e equidade;
4) Deixar bem claro que os reinos deste mundo pertencem a Cristo.
Referências Bibliográficas

Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.

Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.

Revista Lições Bílicas. Vem o fim, o fim vem-A doutrina das ùltimas coisas. Rio de janeiro:CPAD, 2004.

A Grande Tribulação- Conclusão

Observa-se anteriormente que o anticristo criará uma religião, onde o diabo será reverenciado por todos os que, desprezando a verdade, apegaram-se as mentiras, estabelecerá uma economia centralizada com o propósito de forçar as pessoas a colocarem o seu sinal, tentará destruir as bases da religião divina com suas mentiras, fingindo ser o messias enganará a Israel com o intuito de destruí-la , acabará com os que se hão de converter durante a grande tribulação e irá promover a multiplicação da iniqüidade no mundo.
Nesse breve resumo vê-se que o anticristo aparecerá com a intenção de levar a humanidade tanto a substituir Deus pelo diabo e quanto a negar a Deus. Mas apesar de uma boa parte da humanidade corrompe-se, a Bíblia revela que os anjos pregarão o Evangelho Eterno (Ap 14.6,7) e que 144.000 judeus se converterão pela pregação dos mensageiros de Deus (Ap 7.3,8).
Os 144.000 judeus escolhidos das tribos de Israel não se deixarão dominar nem pela religião e nem pelo governo do anticristo. Esses escolhidos levarão a mensagem às nações identificadas na profecia como Tarsis, Pul Lud, Tubal, Javã e outras.
Aqueles que não se arrependerem dos seus pecados vivenciarão os devastadores Juízos de Deus sobre o mundo que jaz o maligno. Esses Juízos começarão com a abertura dos selos, em seguida as trombetas e por fim as taças que serão derramadas.
O término da grande tribulação terá como marco a volta visível de Jesus Cristo (Dn 7.13/Mt 24.30/Lc 24.39). Jesus virá para livrar o povo judeu da destruição na Batalha do Armagedom (Ap 16.16) que se dará em Esdrelon localizado entre o mar da Galiléia e o monte Carmelo (Jl 3.2,9-14). As nações ajuntar-se-ão no vale do Armagedom com o intuito de destruir Israel (Ap 19.19-21). No entanto, nesse momento Jesus virá junto com os anjos e a igreja (Ap 19.14) para punir os ímpios (Jd vv14,15), socorrer a Israel (Zc 14.1-4), levar a Israel a conversão nacional (Zc 12.7-10) e derrotar as forças do anticristo e implantar o Milênio (Ap 20.1-4).
Referências Bibliográficas

Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.

Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.

Revista Lições Bílicas. Vem o fim, o fim vem-A doutrina das ùltimas coisas. Rio de janeiro:CPAD, 2004.

Filho, Pr.Felizardo Batista da Silva. O anticristo e a grande tribulação,São Paulo: Alfa e Omega Edições,2008. p. 15-18.

A Grande Tribulação- Continuação


O segundo período da Grande Tribulação também durará três anos e meio e será de muito sofrimento como nos adverte este versículo de 1 Ts 5. 3 “Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobre-virá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.”
Esse período começará com a abertura dos selos.
1°Selo – Cavalo Branco que trata da falsa paz oferecida pelo anticristo. Essa falsa paz como vimos no post abaixo ocorrerá no primeiro período da grande tribulação. Ap 6.2 a “E olhei, e eis um cavalo branco”
2° Selo – Cavalo Vermelho que representa a guerra. Ap 6. 4 “E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.”
3° Selo-Cavalo Preto que representa a fome que ocorrerá devido as guerras, epidemias e o aumento da inflação. Ap 6. 5 ‘E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi dizer ao terceiro animal: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo preto e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança na mão. 6 E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro, e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho.”
4° Selo – Cavalo Amarelo que representa a morte que servirá de sentença para todos os que se opuseram de alguma forma contra o anticristo. Ap 6.7 “E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem, e vê. 8 E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra.”

Em meio aos acontecimentos Deus levantará duas testemunhas para profetizar, que terão poder de realizar milagres sobrenaturais e para devorar seus inimigos. Ap 11. 4 “Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra. 5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto. 6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem.”
5°Selo – Os Mártires que serão aqueles que morrerão por amor a Palavra de Deus. Ap 6. 9 ¶ “E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram. 10 E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? 11 E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram.”
Por causa dos fatos ocorridos o império do anticristo será abalado, pois haverá uma grave crise mundial, ocasionada por várias guerras civis, que consequentemente levará a uma guerra mundial, e o anticristo acusará a Israel.
Devido a acusação Israel contra atacará, mas Jerusalém será dominada e Israel fugirá para o deserto (Ap 12. 6” E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.”). No entanto, o anticristo continuará a perseguir a Israel com o propósito de destruí-lo. (Ap12. 15” E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar.”)
6°Selo – Terremoto
Ap 6. 12 “E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue;”
7°Selo – As sete trombetas
Apocalipse 8
1 .¶ “E, havendo aberto o sétimo selo, fez-se silêncio no céu quase por meia hora.
2 .E vi os sete anjos, que estavam diante de Deus, e foram-lhes dadas sete trombetas.”

1ª Trombeta – 1/3 Da vegetação será destruída. Ap 8. 7 ¶ “E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada.”
2ª Trombeta- 1/3 Da vida oceânica será destruída. Ap 8. 8 “E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar. 9 E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus.”
3ª Trombeta- 1/3 Da água doce será envenenada. Ap 8. 10 “E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. 11 E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.”
4ª Trombeta-1/3 Dos astros luminares escurecerá. Ap 8. 12 “E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite.”
5ª Trombeta- Abismo aberto, homem sofrerá. Ap 9. 1 “¶ E o quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo. 2 E abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar. 3 E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra. 4 E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o sinal de Deus. 5 E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem. 6 E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.”
6ª Trombeta- Quatros anjos serão soltos.- Cavalaria Infernal que atormentará os homens que não se arrependerem se seus pecados. Ap 9. 13 ¶ “E tocou o sexto anjo a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro, que estava diante de Deus, 14 A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates. 15 E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens. 16 E o número dos exércitos dos cavaleiros era de duzentos milhões; e ouvi o número deles. 17 E assim vi os cavalos nesta visão; e os que sobre eles cavalgavam tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saía fogo e fumaça e enxofre. 18 Por estes três foi morta a terça parte dos homens, isto é pelo fogo, pela fumaça, e pelo enxofre, que saíam das suas bocas. 19 Porque o poder dos cavalos está na sua boca e nas suas caudas. Porquanto as suas caudas são semelhantes a serpentes, e têm cabeças, e com elas danificam. 20 E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar. 21 E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.”

7ª Trombeta- Domínio de Cristo declarado. Ap 11. 15 E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre. 16 E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus, prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus, 17 Dizendo: Graças te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, e que hás de vir, que tomaste o teu grande poder, e reinaste. 18 E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra.
Essa trombeta será tocada no final da grande tribulação quando haja derramado as sete taças que trarão os piores flagelos preparados para os que se oponham ao Deus Todo-Poderoso.
Deus não se tornando passivo diante do objetivo do anticristo de destruir Israel, ordenará aos 7 anjos a derramarem as 7 taças que representam os juízos finais e completos de Deus sobre a terra.
1ª Taça – Chaga Ap16. 2 “E foi o primeiro, e derramou a sua taça sobre a terra, e fez-se uma chaga má e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem.”
2ª Taça – Envenenamento total da água salgada ocasionando a morte no mar Ap16. 3 “E o segundo anjo derramou a sua taça no mar, que se tornou em sangue como de um morto, e morreu no mar toda a alma vivente.”
3ª Taça – Total envenenamento da água doce que acarretará a morte no rio. Ap16. 4 “E o terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue.”
4ª Taça – Calor abrasador do sol Ap16. 8 ¶ “E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. 9 E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória.”
5ª Taça – Trevas e dores a capital do anticristo Ap 16. 10 “E o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e eles mordiam as suas línguas de dor. 11 E por causa das suas dores, e por causa das suas chagas, blasfemaram do Deus do céu; e não se arrependeram das suas obras.”
6ª Taça – O Eufrates secará Ap16. 12 ¶ “E o sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates; e a sua água secou-se, para que se preparasse o caminho dos reis do oriente.”
7ª Taça – Terremoto e chuva de granizo Ap16. 18 “E houve vozes, e trovões, e relâmpagos, e um grande terremoto, como nunca tinha havido desde que há homens sobre a terra; tal foi este tão grande terremoto. 21 E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era mui grande.”
Após essas sucessões de acontecimentos o Senhor virá com sua Igreja para derrotar o anticristo, e implantar, aqui na terra, o glorioso reino milenial.
Devemos estar preparados para o arrebatamento da igreja, pois não sabemos nem o dia e nem a hora que o Senhor virá buscar a sua Igreja.
Estarás tu vigiando, quando Jesus vier?
Referências Bibliográficas

Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.

Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.

Revista Lições Bílicas. Vem o fim, o fim vem-A doutrina das ùltimas coisas. Rio de janeiro:CPAD, 2004.

Filho, Pr.Felizardo Batista da Silva. O anticristo e a grande tribulação,São Paulo: Alfa e Omega Edições,2008. p. 15-18.

A Grande Tribulação

A Grande Tribulação ocorrerá após o arrebatamento da Igreja. Esse período recebe as seguintes denominações na Bíblia Sagrada:

a) Dia do Senhor (Sofonias 1.14)

b) Dia da Angústia de Jacó (Jeremias 30.7)

c) Ira do Cordeiro (Apocalipse 6.15-17)

d) Dia de angústia e de ânsia (Salmos 1.15b)

e) Dia de trevas e escuridão (Salmos 1.5a)

f) Dia da vingança de nosso Deus (Isaías 6.2c)

Segundo Daniel 9.20-27, esse tempo é conhecido como a 70ª Semana de Daniel que equivale á sete anos e é dividida em duas metades:

I) O primeiro período durará três anos e meio e será marcado pelo reinado absoluto do anticristo. Nessa fase, Israel terá pleno domínio sobre Jerusalém, por causa do pacto feito com o anticristo que promoverá a reconstrução do Santo Templo destruído pelo império romano no tempo da era cristã. Após a reconstrução o anticristo assentará no Santo Templo em Jerusalém e será aceito tanto pelos judeus quanto pelos gentios.

A partir desse momento, será propagado o engano religioso que se trata dos ensinos do anticristo. Esses ensinos possuem dois objetivos que são negar a Jesus e a Deus. Consequentemente a esses ensinos será instituída a igreja do anticristo. (Apocalipse 17.18/Ap 17.1b/Ap 17.2/Ap 17.3b)

Além disso, o anticristo como político criará leis que tornará legais seus atos. (Daniel 7.25b) Um exemplo para isso será a implantação de um sistema monetário que terá o propósito de manipular toda e qualquer transferência financeira, por causa disso será instituído um processo de identificação pessoal que será semelhante ao código de barras dos produtos comercializados hoje no mundo.

O profeta Daniel no capítulo 7 mostra de maneira simbólica a terrível natureza do governo do anticristo. Esse governo é comparado ao Leão, referindo ao poder do império romano, ao Urso, que faz alusão ao poder do império medo-persa, e ao Leopardo que faz menção ao poder do império grego.

O governo do anticristo em Apocalipse 13.1a, b será constituído da seguinte maneira: um nome de blasfêmia (anticristo), dez diademas (pactos), dez chifres (reis) e sete cabeças (continentes). Também contará com a segunda besta que será o falso profeta (Apocalipse 13.11a, b) e esse profeta exaltará o anticristo (Apocalipse 17.12).

Referências Bibliográficas

Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.

Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.

Revista Lições Bílicas. Vem o fim, o fim vem-A doutrina das ùltimas coisas. Rio de janeiro:CPAD, 2004.

Filho, Pr.Felizardo Batista da Silva. O anticristo e a grande tribulação,São Paulo: Alfa e Omega Edições,2008. p. 15-18.

As Bordas do Cordeiro

A cidade que Deus é o construtor (Hebreus 11.10 que diz: “porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador.”) receberá os fiéis, que pelo sangue de Cristo se tornaram filhos, para participarem das bodas celestiais (Hebreus 12.22 que diz: “Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia”). Primeiro Cristo apresentará a Igreja a Deus, depois anunciará a presença da Igreja nos céus (Hebreus 2.12 b que diz: “A meus irmãos declararei o teu nome, cantar-te-ei louvores no meio da congregação.”) e por fim apresentará a Igreja aos anjos (Hebreus 2.13 b que diz: “Eis aqui estou eu e os filhos que Deus me deu.”) As bodas do Cordeiro são o período que durará 7 anos ( que é a última semana de Daniel) no qual a igreja passará nos céus na realização do culto da Santa Ceia (1 Coríntios 11). O culto da Santa Ceia dar-se-á da seguinte forma:

1) O momento de louvor será composto pelo coral angelical (Apocalipse 5 .11,12 que diz: “ Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo números era de milhões de milhões e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder,e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor.”), pelo grupo de serafins (Apocalipse 5. 14 que diz: “E os quatro seres viventes respondiam: Amém; também os anciãos prostraram-se e adoraram.”) e a criação responderá ( Apocalipse 5. 13 que diz: “Então. Ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estavam dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.”).

2) Jesus ministrará a Santa Ceia (Mateus 26.29 que diz: “E digo-vos que, desta hora em diante, não beberei deste fruto da videira, até aquele dia em que o hei de beber de, novo, convosco no reino do Pai.”)

3) O final da Santa Ceia Enquanto a Igreja estará participando das bodas do Cordeiro nos céus, a terra estará vivendo o período da grande tribulação.

Referências Bibliográficas

Fonseca, Claúdio. Apostila de Escatologia. Alagoas:FAFITEAL(Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas), 2002.

Almeida, João Ferreira de. Bíblia sagrada, versão Impressa Bíblica Brasileira.